CPMF pode ajudar Brasil a sair da crise, diz presidente do Itaú

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Se avanço na rodada de negociação da Campanha Salarial dos aeronautas e aeroviários, os pilotos, co-pilotos, comissários e os aeroviários de Guarulhos, Porto Alegre, Recife, Campinas e nas bases do Sindicato Nacional dos Aeroviários realizarão assembleias nesta sexta-feira (29) para colocar a proposta dos patrões em pauta e deliberar sobre a possibilidade de uma paralisação nacional conjunta nos principais aeroportos do País já no início de fevereiro.

Na negociação, realizada nesta quarta-feira (27) na sede da entidade patronal, em São Paulo, os trabalhadores foram representados pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (FENTAC/CUT), com o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (SNEA). A rodada acata uma determinação do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A data-base das categorias venceu em 1º de dezembro de 2015. Cerca de 70 mil trabalhadores da aviação civil regular estão em Campanha na base da Fentac.

O presidente do Itaú, que participa do Conselhão desde 2003, relatou a defesa que a presidenta Dilma Rousseff fez sobre a contribuição, como ferramenta de reequilíbrio das contas públicas. “Ela (a presidente) fez um apelo para que a CPMF seja bem recebida. Ela trouxe uma novidade ou reafirmou algo importante: ela (a CPMF) seria e será provisória, temporária. E, evidentemente, a sociedade e o Congresso vão avaliar essa possibilidade”, disse.

Segundo o blog do Planalto, Setubal disse ainda que vê como muito positiva a ampliação do diálogo entre o governo e a sociedade. “A intenção de ampliar o diálogo com a sociedade é sempre muito bem-vinda. A troca de ideias é muito importante, especialmente nesse momento complicado na área econômica. Precisamos de muito diálogo. O conselho pode vir a ser, realmente, um local onde esse diálogo possa acontecer”.

A presidenta Dilma Rousseff participa do CDES, ao lado dos ministros da Casa Civil, Jaques Wagner; da Agricultura, Kátia Abreu; da Fazenda, Nelson Barbosa; do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, do Planejamento, Valdir Simão; e do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Oito conselheiros também se manifestaram durante o encontro, quatro do lado dos empresários e quatro do lado dos trabalhadores.

O conselho tem 92 representantes e deverá ter quatro reuniões neste ano. A próxima deverá ser em abril, segundo o ministro Jaques Wagner.