Homem desenterra restos mortais da mãe em Ipueira e é preso

Nego Stinker foi preso depois de vilipendiar o copo de sua mãe em cemitério
Nego Stinker foi preso depois de vilipendiar o copo de sua mãe em cemitério

Policiais da cidade de Ipueira/RN, prenderam na tarde da última sexta-feira (12), o paraibano, Rodrigo de Souza, (Nego Stinker), de 31 anos, natural de Patos e residente na Rua Adalto Vicente de Lucena da cidade seridoense.

O motivo da prisão foi a violação do túmulo de Maria do Carmo de Souza, de 79 anos, sua mãe de criação. A mulher morreu há dois anos. “Ela me criou. Eu não conheço pai e nem mãe. A mãe que eu conheci foi ela que cuidou de mim“, disse o Nego Stinker.

Conduzido para a Delegacia Regional em Caicó, o homem explicou o que aconteceu. Ele disse queria tirar os restos mortais de sua mãe para outro cemitério, porém, sem autorização judicial.

Na sexta-feira (12), pela manhã, por volta das 3 horas, Stinker disse que acordou pensando que tinha que tirar os restos de sua mãe do cemitério velho para colocar no novo. “Eu falei com o coveiro e ele disse que eu fosse na prefeitura que eles liberariam, mas, eu não fui. Eu voltei a falar com o coveiro várias vezes e ele liberou. Eu mesmo cavei e tirei. Eu estava em Curitiba, no Paraná viajando e cheguei no final de 2015. No dia 28 de dezembro eu fui ao cemitério. Lá, eu vi que o canteiro estava queimado junto com a foto dela. Eu não gostei e fui lá e tirei“, contou.

A forma como fez a escavação também foi detalhada por ele, inclusive, confirmou que tirou todos os ossos e colocou em um saco. “Eu comecei por volta das 07hs da manhã de sexta-feira. Eu conversei com o coveiro e ele disse: pode tirar! Eu terminei por volta das 11hs da manhã. Botei os restos mortais de minha mãe dentro de um saco. Botei tudo, até os cabelos e uma platina que ela tinha em uma das pernas, foi tudo“, disse.

Ao terminar o serviço, Rodrigo de Souza, disse que deixou o saco dentro da cova que estava aberta. “Deixei no saco dentro do buraco mesmo, fui pra casa. Eu voltaria no dia seguinte pra cavar outra cova no outro cemitério, mas, deram parte e eu fui preso“, relatou.