Tribuna do Norte – Um dos principais medicamentos que deveria ser fornecido pelo governo do Estado do Rio Grande do Norte está em falta desde 2017, o Vigabatrina 500mg. Indicado para  tratamento de pacientes com epilepsias e o mais utilizado para crianças com microcefalia, a substância é hoje comercializada no valor de até R$ 315 reais, o que se torna inviável para as famílias que recebem apenas o benefício de R$ 998.

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), não consegue comprar [a medicação] devido aos processos licitatórios com resultado “Deserto“. A informação é do diretor da Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat), Ralfo Medeiros. Licitação deserta é quando não é encontrada nenhuma empresa interessada em participar da licitação para fornecer o medicamento.

O que posso dizer, é que temos processo licitatório em andamento, mas não tenho ainda uma previsão de quando o medicamento irá chegar”, afirma o diretor. Atualmente, existe uma negociação com o governo de Pernambuco para empréstimo da medicação, porém não existe prazo, previsão ou esperança.

Pesquisa

“Em caso de um surto novo, vai ser bem diferente porque a rede financiada pelo Governo Federal está fragilizada, ou eles abrem um edital para pesquisa de zika e microcefalia ou poderá ser uma tragédia maior”. A afirmação é do pesquisador e professor do Instituto do Cérebro Eduardo Sequerra.

Back To Top