RN segue orientação da Anvisa e recomenda suspensão de vacinação de gestantes com Astrazeneca

A Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) emitiu nota informativa sugerindo a suspensão da vacinação com doses da AstraZeneca/Oxford de mulheres grávidas. A decisão foi informada na manhã desta terça-feira (11), seguindo recomendação emitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na justificativa para a suspensão, a Sesap levou em consideração que a ocorrência de eventos adversos é extremamente rara e inferior ao risco apresentado pela Covid-19, mas que o Ministério da Saúde investiga morte de gestante após ser vacinada com dose da AstraZeneca e, por isso, a Anvisa solicitou a suspensão do uso e está reavaliando imunização de gestantes.

A Sesap também levou em consideração que bula da AstraZeneca não não consta o uso em gestantes e que o uso ‘off label’ de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra Covid da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina sem orientação médica.

Tribuna do Norte


AstraZeneca espera produzir 200 milhões de doses de vacina até abril

A AstraZeneca espera produzir mais de 100 milhões de doses de sua vacina contra a covid-19 – desenvolvida em conjunto com a Universidade de Oxford –  neste mês e elevar a capacidade para mais de 200 milhões de doses por mês até abril, disse o presidente executivo da farmacêutica, Pascal Soriot, nesta quinta-feira (11).

O chefe de Pesquisa e Desenvolvimento Biofarmacêutico da companhia, Mene Pangalos, afirmou que a empresa espera os dados dos testes em estágio avançado de sua vacina nos Estados Unidos, antes do final de março.

Uma leitura dos dados está somente “semanas distante”, disse ele em teleconferência depois da divulgação dos resultados da companhia em 2020.

OMS

A vacina da AstraZeneca é segura e eficaz e deve ser amplamente implantada, inclusive em países onde a variante sul-africana do coronavírus talvez reduza sua eficácia, recomendou um painel da Organização Mundial da Saúde (OMS) nessa quarta-feira.

Agência Brasil