Gilmar Mendes acusa Lava Jato de promover ‘massacre’ do potiguar Macelo Navarro

Ministro do STJ, Marcelo Navarro Ribeiro Dantas

No voto sobre a suspeição de Sergio Moro, Gilmar Mendes acusou os procuradores da Lava Jato de promoverem um “massacre” do ministro do Superior Tribunal de Justiça Marcelo Navarro Ribeiro Dantas.

Em 2016, em sua delação premiada, o ex-senador petista Delcídio do Amaral afirmou que ele foi nomeado por Dilma Rousseff, no ano anterior, sob o compromisso de conceder liberdade a donos de empreiteiras presos na Lava Jato.

Na época, ele negou e disse que nunca concedeu habeas corpus de forma monocrática em favor deles. Após a delação, no entanto, ele deixou a relatoria dos processos da Lava Jato no STJ.

No voto hoje, Gilmar Mendes disse que Ribeiro Dantas “sofreu um grande massacre a partir das ações dos procuradores”.

“É um caso de estudo. Os magistrados que eventualmente concedessem habeas corpus corriam risco de serrem massacrados nesse conúbio vergonhoso que se estabeleceu entre a mídia e os procuradores e o juiz”, afirmou.

O Antagonista