ENTREVISTA: Professores Ronaldo Carlos e Sauderes Vale abordam tema de inclusão dos excepcionais

Nesta sexta-feira (28), foi encerrada a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla. Em Caicó, a Associação dos dos Pais e Amigos dos Excepcionais, como todos os anos, realizou programação alusiva.

Os professores Ronaldo Carlos e Sauderes Vale, além de sua filha Daniele, jovem atendida pela APAE, participaram de entrevista no programa Cidade Alerta, da Rádio Rural FM 102,7, aonde falaram sobre o tema da Semana Nacional, “Protagonismo Empodera e Concretiza a Inclusão Social”.


“Escola Antônio Aladim, luz da zona norte de Caicó”, por Ronaldo Carlos

Aluna da Antônio Aladim em dia de protesto pela reforma da escola

Tão simples, tão forte! Nós nos (re)vestimos de você, Escola Antônio Aladim, porque acreditamos no seu propósito. Mesmo enfrentando adversidades, seguimos em frente, pois a jornada é feita de muita luta.

Nossos netos falarão de nós como incansáveis combatentes do bom combate, que não se acovardaram ante a falta de zelo dos governantes para com a educação.

Escola Antônio Aladim, luz da zona norte de Caicó, dínamo dos mais significativos projetos acadêmicos… nós ousamos dizer: sem você, nossas vidas seriam buracos profundos! Na volta pra casa, não contaremos histórias de derrotas, mas, detalhes de uma empreitada gloriosa.

A orquestra irônica pode até rir-se estridente, como dizia Castro Alves, no seu poema “Navio Negreiro”, mas, muitos virão pedir-lhe a benção, porque sabem do seu valor.

Salve, Escola Estadual Prof. Antônio Aladim. A história da educação de Caicó é outra, por sua causa!


Artigo: RECONHECER o outro na sua DIFERENÇA

Por Ronaldo Carlos (professor, músico e filósofo) – O elogio certo, à pessoa certa, no momento certo, no lugar certo, é fundamental. Por exemplo, no caso do exercício de uma missão eletiva, é um reconhecimento de que aquele ou aquela honrou o mandato delegado pelo povo, através do voto. Reconhecimento é deferência, não privilégio. No caso específico, da visibilidade do gestor ético, é o sinal da aprovação da aplicação correta dos recursos orçamentários, do zelo pelo patrimônio que é de todos, pela gestão respeitosa, executando, firmemente, as políticas públicas. Não se trata de estar formatando um salvador da pátria… o mandato é do povo.

De tantos desmandos com a coisa pública, que nos provocam múltiplos sofrimentos, fomos, aos poucos, perdendo a capacidade de reconhecer, publicamente, as pessoas honradas. Podemos cair na tentação de dizer: “ele não fez mais que sua obrigação”. Muito bem! Quem não o fez, também tinha a mesma obrigação, mas, não fez. É um problema ético e de compromisso com o povo, não com interesses escusos ou de grupos que sugam o município.

É preciso apoiar as ações que promovem a sustentabilidade e equilíbrio, mesmo entendendo que elas não são extraordinárias, mas, parte da rotina de trabalho de quem constrói um projeto político, dialogando com o povo, com as categorias profissionais, com os diversos segmentos sociais. Isso não nos despersonaliza, politicamente, é participação democrática. É como o dialogo inter-religioso. Não preciso mudar minha fé porque aceito o outro na sua diferença. Continuo com a minha! Aliás, igualdade não é homogeneidade, mas, o encontro das diferenças. Dessa forma, enxergamos a verdade do outro que, não estando no nosso “time”, contribui para a construção do grande projeto social, que envolve muitos atores e forças, com suas peculiaridades.

Quando formamos alianças, penso que dizemos: você é diferente de mim, não é do meu partido, mas, na nossa diferença, podemos construir juntos. Isso não nos diminui. Pelo contrário, a opressão, as vezes disfarçada de unanimidade, seja de onde for, desqualifica nossa luta. Aliás, a palavra lutar, no idioma iraniano, significa, resistir como uma pedra. É preciso resistir pelas boas causas e construir juntos o grande projeto social.

Finalmente, citando Frei Betto , eu diria: “Vejo-te como uma daquelas pessoas frente às quais não cabe a indiferença”. Não é a diferença que mata, mas, a indiferença!