Incêndio atinge Centro de Treinamento do Flamengo e mata dez pessoas

Uma tragédia marcou a madrugada desta sexta-feira (8). Um incêndio atingiu o Ninho do Urubu, o Centro de Treinamento do Flamengo na região de Vargem Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

De acordo com informações preliminares, o Corpo de Bombeiros foi acionado às 5h17 da manhã, cerca de duas horas depois, às 7h20, o incêndio já estava controlado.

CT do Flamengo incendiado na manhã desta sexta-feira (08)

São 10 mortos e três feridos. Os feridos são: Johnatan Cruz Ventura, Cauã Emanuel Gomes e Francisco Diogo, todos eles atletas da base do time rubro-negro. Johnathan é quem apresenta o quadro mais grave e passa por cirurgia. Francisco Diogo está em estado estável no Centro de Tratamento Intensivo, enquanto Cauã está fora de perigo. Todos eles foram encaminhados para o hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca

Entre os mortos, estavam quatro da base do flamengo, dois adolescentes em teste e quatro funcionários. Segundo os bombeiros, os jovens tinham entre 14 e 17 anos.

Logo após a notícia da tragédia, clubes, políticos e personalidades do futebol manifestaram solidariedade pelas redes sociais. Zico, Neymar, Vinícius Júnior, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, além das contas oficiais de clubes como Botafogo, Vasco, Fluminense, Chapecoense, Santos, entre outros. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), também publicou nota no Twitter, demonstrando solidariedade com as vítimas e com o clube.



Transferidos para o RN durante ataques no Ceará, 39 presos deixam a Penitenciária Federal de Mossoró

Trinta e nove presos que foram transferidos para o Rio Grande do Norte durante a série de ataques ocorridos no estado do Ceará, em janeiro, deixaram a Penitenciária Federal de Mossoró nesta quarta-feira (6) com destino a outras unidades federais. A informação foi confirmada ao G1pela direção do presídio potiguar.

A transferência para outros presídios federais, a partir de Mossoró, já havia sido anunciada pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen) quando a unidade potiguar recebeu a primeira remessa de presos no dia 9 de janeiro. Depois dessa, a penitenciária de Mossoró ainda voltou a receber presos no dia 11.

*Fonte: G1/RN



Operação conjunta do MPRN e MPPR combate pedofilia e prende advogado em Natal

Uma operação conjunta do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e do Paraná (MPPR) nesta quinta-feira (7) cumpriu mandados judiciais e prendeu em Natal um advogado suspeito de cooptar, por meio de redes sociais na internet, mulheres com a intenção de abusar sexualmente de seus filhos. A operação Jocasta cumpriu três mandados no RN e outros, no Paraná.

O homem, de 38 anos, utilizava as redes sociais para aliciar as vítimas e conseguir delas fotos e vídeos íntimos. De posse das imagens, ele passava a manipulá-las com o intuito de que continuassem a enviar material de conteúdo pornográfico, chegando a ameaçar algumas delas.Um dos casos comprovados envolve uma mãe que abusou do próprio filho, uma criança de 8 anos, para satisfazer a lascívia do advogado. Ela foi presa no Paraná como desdobramento da operação.

Na capital potiguar, os mandados foram cumpridos em três endereços, sendo um deles o escritório de advocacia do investigado. A ação contou com a participação de agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), com o apoio da Polícia Militar, e a presença de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil. Foram apreendidos notebooks, celulares e outros objetos que podem estar relacionados à prática do crime.

Disque 127

O Disque Denúncia 127 é um canal direto do MPRN para denúncias de crimes em geral. O cidadão pode ligar gratuitamente para o número. A identidade da fonte será preservada.

 Além do telefone, as denúncias também podem ser encaminhadas por Whatsapp para o número (84) 98863-4585 ou e-mail para disque.denuncia@mprn.mp.br. Os cidadãos podem encaminhar informações em geral que possam levar à prisão de criminosos, denunciar atos de corrupção e crimes de qualquer natureza. No Whatsapp, são aceitos textos, fotos, áudios e vídeos que possam comprovar as informações oferecidas.