Jardim de Piranhas sai do colapso com água do Açude Mãe D’Água

O município de Jardim de Piranhas, região Seridó do Estado, não está mais em situação de colapso no abastecimento de água. A chegada da água liberada do sistema Mãe D’Água, na Paraíba, no último final de semana, atenuou um pouco o quadro de escassez para as quatro cidades atendidas pela Adutora Manoel Torres: Caicó, Jardim de Piranhas, São Fernando e Timbaúba dos Batistas. Fora Jardim de Piranhas, que estava em colapso, as outras três estava contando com sistemas alternativos de abastecimento.

A abertura das comportas do sistema Mãe D’água, pela Agência Nacional de Águas (ANA), foi solicitada pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern. A companhia já investiu aproximadamente R$ 500 mil em serviços e melhorias na captação de água, desde limpeza do rio Aguiar (PB), que deságua no rio Piranhas, até implantação de tubos com registros e ampliação do fluxo da água até a captação da adutora Manoel Torres.

Segundo a gerente da Regional Seridó da Caern, Rosy Gurgel, a vazão atingida é em torno de 3 metros cúbicos por segundo, distribuída para as quatro cidades. A liberação da água foi amplamente discutida entre os Governos do Estado do Rio Grande do Norte e da Paraíba Os esforços são somados ao trabalho desenvolvido no Comitê de Bacia Hidrográfica do rio Piancó-Piranhas-Açu.

A Caern orienta, no entanto, que a população mantenha os hábitos de uso racional da água, para que o fornecimento possa ser mantido pelo maior período possível.

Durante o período em que não contavam com o aumento da vazão, para que não entrassem em colapso, as cidades de Caicó, São Fernando e Timbaúba dos Batistas estavam sendo atendidas por outros sistemas. Caicó vinha mantendo o abastecimento pelo Açude Itans, que tem funcionado como uma reserva técnica para períodos de maior escassez. São Fernando contava com água do açude municipal, e Timbaúba dos Batistas também era abastecida por um açude da cidade.

A Caern reforça junto à população dessas cidades do Seridó a necessidade do uso racional da água disponível, a fim de assegurar o abastecimento por mais tempo, evitando maiores transtornos.

Atualmente, entre as cidades atendidas pela Caern, há 21 em colapso e 72 sendo abastecidas em sistema de rodízio.