MPF: Justiça condena homem que obtinha imagens de pornografia infantil em rede social

Um homem que se fazia passar por uma adolescente de 17 anos para obter imagens de nudez de crianças entre 8 e 12 anos, foi condenado em Uberaba, Minas Gerias. De acordo com o Ministério Público Federal, o acusado também baixava, armazenava e transmitia fotografias e vídeos contendo cenas de sexo explícito e pornográficas envolvendo crianças e adolescentes. Os crimes foram descobertos pelos pais de um menor que o flagraram conversando com o acusado por meio da rede social Facebook.

Instaurado inquérito para investigar os fatos, a Polícia Federal obteve judicialmente a quebra do sigilo telemático, por meio da qual foi possível identificar o criminoso que foi preso em flagrante. Segundo perícia realizada no computador e demais materiais apreendidos, incluindo celular e pen drives, foi encontrado grande quantidade de material criminoso. De acordo com a MPF, só no disco rígido do computador, o acusado armazenou 128 fotografias e cinco vídeos; em um dos pen drives, centenas de fotografias e cerca de 40 vídeos com o mesmo tipo de conteúdo.

As investigações ainda apontaram que, em períodos situados entre setembro de 2016 e fevereiro de 2017, o acusado aliciou crianças, por meio da internet, com o objetivo de induzi-las a se exibirem de forma pornográfica e sexualmente explícita. O criminoso, que não teve seu nome divulgado, recebeu pena de 12 anos e 8 meses de prisão. O Juízo da 4ª Vara Federal de Uberaba manteve a prisão cautelar do réu e negou-lhe o direito de recorrer da sentença em liberdade.