Please enter banners and links.


Polícias Civis prendem mais de 130 em operação contra pornografia infantil

Polícias Civis prendem mais de 130 em operação contra pornografia infantil

As Polícias Civis de 24 estados e do Distrito Federal realizaram nesta quinta-feira (17) uma operação para reprimir a exploração sexual infanto-juvenil. Na operação apelidada de Luz na Infância 2, foram cumpridos mais de 570 mandados de busca e apreensão de conteúdos relacionados a pedofilia, em 284 cidades brasileiras. Ao todo, foram mais de 130 prisões. Os detalhes e números da operação serão divulgados nesta sexta-feira (18).

Segundo o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, os alvos foram identificados pela Diretoria de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública, com base em elementos informativos coletados em ambientes virtuais. A operação foi realizada na véspera do Dia Nacional de Combate à Violência e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. “Um milhão de arquivos foram analisados e devidamente localizados, identificados. Essa é a maior ação integrada de polícia judiciária já realizada no Brasil. É a maior. É importante também destacar que essa é a maior operação para reprimir crimes de abuso, exploração sexual infanto-juvenil realizada no mundo em apenas um dia, segundo dados que nos foram repassados pela Senasp”.

De acordo com o coordenador do Laboratório de Inteligência Cibernética do Ministério Extraordinário da Segurança Pública, Alessandro Barreto, a operação tem como foco encontrar pessoas que tenham grande quantidade de arquivos armazenados. “O mínimo foram 150 arquivos baixados. Então ninguém baixa 150 sem querer. E tem alguns com 50 mil, 80 mil… o que foi preso no Estado da região Sudeste tinha mais de 200 mil arquivos armazenados”.

O diretor de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), Carlos Afonso Gonçalves Coelho, disse que esta operação se desencadeou em algumas fases. “A fase inicial era a identificação de informações inicias por parte da diretoria de inteligência. No segundo momento, essas informações eram repassadas às polícias civis, que verificavam a consistência das informações disponibilizadas e instauravam os inquéritos policiais. Isso não é o suficiente para atestar a materialidade delitiva e muito menos comprovar o indício de autoria. Então, a razão pela qual foram expedidos mandados de busca e apreensão foi constatar, de fato, se aquelas informações possuíam materialidade delitiva e se a gente conseguia conectar aqueles arquivos encontrados, aquele material ilícito a alguma pessoa individualizada”.

A primeira operação Luz na Infância aconteceu em outubro do ano passado, e prendeu 108 pessoas.