Seap zera casos de Covid-19 entre os policiais penais

Casos de Covid entre os policiais penais foram zerados

A Secretaria da Administração Penitenciária (Seap) registrou nesta sexta-feira, dia 14, que não possui casos confirmados de Covid-19 entre os policiais penais pela primeira vez desde 3 de abril. A notícia era aguardada a partir da constatação da queda da curva de infectados, em meados de julho, mas é vista com cautela, uma vez que 15 internos do sistema prisional ainda estão contaminados. O sistema prisional, com 10 mil internos, não registrou óbitos relacionados a pandemia.

O Comitê de Crise do Covid-19 da Seap acompanha as 17 unidades do sistema prisional do Estado com presos, além das unidades administrativas e grupos operacionais, e tem uma estatística diária do número de casos. Os dados indicam que 180 servidores e 261 internos testaram positivo para o Covid-19 e estão curados. A infecção no sistema prisional, segundo o Comitê, tem um atraso em relação aos casos registrados na sociedade em geral, portando, a queda nos registros já era aguardada.

Agora, com os indicadores mais favoráveis, a Seap espera retomar as visitas de familiares aos presos a partir do dia 31 agosto. Medidas de prevenção estão sendo estudadas para que esse retorno seja feito de forma gradual e responsável, com todos os cuidados para a preservação da vida de internos, familiares e servidores. Os protocolos devem ser divulgados em breve através da publicação de uma portaria.

As unidades prisionais estão isoladas desde o dia 13 de março, sem visitas de familiares e pessoas externas. A Seap tomou todos os cuidados para isolar casos suspeitos, isolar grupos de risco e informou aos órgãos da execução penal os internos que se enquadravam na Recomendação 062 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Várias medidas foram adotadas para combater o novo coronavírus e estão mantidas: os presídios são desinfectados diariamente com alvejantes e saneantes; policiais penais, internos e usuários utilizam equipamentos de proteção individual e tem álcool 7% à disposição; o horário do banho de sol dos apenados foi prolongado; colchões são expostos diariamente ao sol; além da instalação de pias em ambientes de uso comum. Os novos internos passam por exames das unidades de saúde e ficam em quarentena.