Seridó: Homem preso tentando instalar chupa-cabra ofereceu dinheiro para PMs; advogado também foi detido

Rodrigo Porto preso em Jardim de Piranhas
Rodrigo Porto preso em Jardim de Piranhas, já tinha passagens pela Polícia pela mesma prática delituosa – (FOTO: Blog: Caicó na Rota da Notícia)

Policiais militares prenderam no início da tarde deste sábado (20), o paranaense, Rodrigo Batista Porto, natural de Assaí, de 30 anos, quando tentava instalar equipamento que rouba dados bancários de clientes de agências bancárias. O homem foi preso em flagrante no interior do banco Bradesco em Jardim de Piranhas/RN, por volta das 12hs30min. Mais tarde, ainda foi detido, o advogado, Luiz Antônio Holanda, de 27 anos, natural de Iracema/CE, mas, residente em Mossoró. Ele atua como advogado pela OAB do Rio Grande do Norte.

O Delegado de Plantão na 3ª DRPE, Marcos Vinicius dos Santos, disse ao Blog Sidney Silva, que tudo começou quando populares desconfiaram de um carro parado na frente do banco em Jardim de Piranhas. Era um Pálio de cor branca, ano 2014/2015 e placas PMO2199/Caucaia/CE. Policiais militares foram acionados e se dirigiram ao local. No interior da agência se depararam com um homem de frente a um dos terminais (caixa eletrônico) instalando equipamentos. Indagado do que se tratava, Rodrigo disse que era funcionário da referida agência e que estava fazendo manutenção no equipamento.

Os policiais continuaram a fazer perguntas e ele entrou em contradição momento em que contou o que estava fazendo. Logo, ofereceu 800 reais aos policiais para deixar a questão pra lá. Um dos policiais disse que era muito pouca a quantia. Nesse momento, Rodrigo Porto, disse que transferiria para a sua conta, a importância de 5 mil reais, mas, o policial disse que assim o complicaria. O paranaense, então, afirmou que uma pessoa viria lhe entregar o dinheiro pessoalmente, mas, só poderia trazer 800 reais. Foi feito o contato telefônico com um homem não identificado que inclusive fez ameaças ao policial. Dada voz de prisão, Porto, foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil em Caicó. Mais tarde, o telefone voltou a tocar. Era a ligação aguardada onde um homem afirmava que um advogado se deslocaria para Caicó, para entregar o dinheiro acertado. O advogado, Luiz Antônio, que nessa altura estava falando ao telefone com os policiais, marcou para se encontrarem na frente do Banco do Brasil, agência localizada no centro de Caicó. Equipes da PM se posicionaram no local acertado. O Pálio branco que era ocupado por Luiz Antônio Holanda e outra duas pessoas, um outro advogado e um agente penitenciário, foi abordado por volta das 22hs. No ato da entrega do dinheiro, foi dada voz de prisão.

O carro com seus ocupantes foram conduzidos para a Delegacia. Lá, o delegado, Marco Vinicius dos Santos, ouviu a todos. “Nós entendemos que um dos advogados e o agente, não tinha nada haver com o caso em questão, então os liberamos. Já, os demais, foram autuados em flagrante“, disse.

O advogado Luiz Antônio, foi autuado por corrupção ativa, enquanto o paranaense, Rodrigo Batista, foi autuado por furto qualificado na forma tentada, além de corrupção ativa.

O delegado acredita que a prisão de Rodrigo Batista, pode levar a polícia a desbaratar um grupo grande que tem atuação em diversos estados. “Eles, provavelmente atuam em todo o Nordeste e outros estados brasileiros. Esse Rodrigo, foi preso em 2014, no Rio Grande do Sul, praticando atos semelhantes. Esse grupo é grande. Possivelmente, esse aí é a ponta do iceberg. Mas, a investigação é que vai dizer isso. Veja que quando a negociação estava em andamento, o homem do outro lado da linha dizia ao policial que nada poderia dar errado. Coisas como: eu sei onde você mora, onde você trabalha, era o que comentava“, afirmou o delegado.

Neste domingo (21), policiais civis, conduziram os dois detidos para fazer exames de corpo de delito no ITEP. O paranaense, foi levado para o Presídio, enquanto o advogado voltou para a Delegacia. Ele tem que direito a sala de estado maior.

O paranaense, Rodrigo Porto, foi preso no dia 10 de fevereiro de 2014, na cidade de Ijuí no Rio Grande do Sul, praticando o mesmo crime, ou seja, instalando equipamentos chupa cabra. Veja mais detalhes aqui