Arleide Ótica topo
Categorias
Pesquisar

Comunicado do Brasil é intervencionista e parece ditado por EUA, diz Venezuela

Presidente da Venezuela Nicolás Maduro em Caracas / Foto: REUTERS/Leonardo Fernandez Viloria

O ministério das Relações Exteriores da Venezuela reagiu nesta terça-feira 26 à manifestação do Brasil sobre a situação eleitoral do país dizendo que o comunicado do governo brasileiro é “cinzento e intervencionista”.

A chancelaria venezuelana repudiou o texto redigido por funcionários do Itamaraty e afirmou “que parece ter sido ditado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos”. O ministério venezuelano ainda disse que os comentários emitidos “são carregados de profundo desconhecimento e ignorância sobre a realidade política na Venezuela”.

O governo de Nicolás Maduro afirmou também que tem mantido “uma conduta fiel aos princípios que regem a diplomacia e as relações amistosas com o Brasil, sendo que em nenhuma hipótese, emite, nem emitirá juízos de valor sobre os processos políticos e judiciais” brasileiros.

A nota publicada pelo chanceler Yván Gil diz que chama atenção que a chancelaria brasileira não esteja preocupada com as tentativas de assassinato do presidente Nicolás Maduro e desestabilização que, segundo o governo venezuelano, foram desmanteladas nas últimas semanas.

A reação do governo da Venezuela é uma resposta ao posicionamento do Brasil sobre o fato de que opositores de Nicolás Maduro não puderam se candidatar na próxima eleição presidencial, em 28 de julho.

Nesta terça-feira 26, o governo brasileiro manifestou que “com base nas informações disponíveis, observa que a candidata indicada pela Plataforma Unitária, força política de oposição, e sobre a qual não pairavam decisões judiciais, foi impedida de se registrar, o que não é compatível com os Acordos de Barbados”.

O texto faz referência à candidata Corina Yoris, indicada pela líder opositora María Corina Machado — que está impedida pelo Judiciário venezuelano de ocupar cargos públicos por 15 anos –, para ser sua representante no processo eleitoral, mas que não conseguiu se inscrever.

O Acordo de Barbados, assinado no fim do ano passado, foi o resultado de uma negociação entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição venezuelana, em diálogos mediados pela Noruega e facilitados por outros países, como o Brasil, para que haja garantias para um processo eleitoral transparente para o pleito presidencial deste ano na Venezuela.

AgoraRN

Pesquisar
Categorias
WhatsApp
Canal YouTube