Arleide Ótica topo
Categorias
Pesquisar

Mais de 63 mil imigrantes morreram ou desapareceram na última década

.Pessoas a bordo do barco de resgate da ONG Proactiva Open Arms Uno olham para o barco da guarda costeira indo para a ilha de Lampedusa, no mar Mediterrâneo central, Itália.
19/08/2022
REUTERS/Juan Medina/Foto de arquivo
© JUAN MEDINA

Pelo menos 63.285 pessoas morreram ou desapareceram em rotas de imigração em todo o mundo entre 2014 e 2023, com a maioria das mortes causadas por afogamento, informou a agência de imigração da Organização das Nações Unidas nesta terça-feira (26).

Um relatório publicado pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) sobre o Projeto de Migrantes Desaparecidos mostrou que quase metade das mortes e desaparecimentos (28.854) ocorreu no Mediterrâneo, seguido por África e Ásia.

Quase 60% das mortes documentadas estavam ligadas a afogamento, e mais de um terço das pessoas identificadas eram de países em conflito, incluindo Afeganistão, Mianmar, Síria e Etiópia.

Os dados da OIM mostraram que o ano mais letal para os imigrantes na última década foi 2023, quando foram registradas 8.541 mortes, em parte devido a um aumento acentuado de vítimas no Mediterrâneo.

“O aumento de mortes provavelmente está ligado ao aumento de partidas e, consequentemente, de naufrágios, na costa da Tunísia”, informa o relatório, acrescentando que pelo menos 729 pessoas morreram na costa da Tunísia em 2023, em comparação com 462 em 2022.

“Em todos os anos anteriores, a maioria das mortes no Mediterrâneo Central foi documentada na costa da Líbia.”

Com os partidos anti-imigração ganhando influência constante em toda a Europa há anos, os governos tentam reduzir os fluxos migratórios para seus países prometendo recursos para países do Mediterrâneo, como a Tunísia e o Egito.

Neste mês, a União Europeia prometeu um pacote de financiamento de € 7,4 bilhões ao Egito, que a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni descreveu como “a melhor maneira de lidar com os fluxos migratórios”.

Os governos de vários países europeus, incluindo Itália, Hungria e Reino Unido, fizeram da redução da imigração uma prioridade máxima, enquanto em outros lugares os partidos de extrema-direita ganharam popularidade.

Os líderes religiosos estão entre aqueles que pediram mais compaixão para com os imigrantes. O papa Francisco pediu uma resposta pan-europeia à migração para impedir que o Mediterrâneo se torne “um mar de morte”.

*É proibida a reprodução deste conteúdo

Agência Brasil

Arleide ÓTICA
Pesquisar
Categorias
WhatsApp
Canal YouTube