Arleide Ótica topo
Categorias
Pesquisar

Irã diz que Israel bombardeou embaixada na Síria e mata comandantes

Consulado iraniano em Damasco é destruído em suposto ataque aéreo israelense
01/04/2024
REUTERS/Firas Makdesi
© Firas Makdesi

Aviões de combate supostamente israelenses bombardearam a embaixada do Irã na Síria nesta segunda-feira, em um ataque que, segundo o Irã, matou sete de seus conselheiros militares, incluindo três comandantes seniores, e que marcou uma grande escalada na guerra de Israel com seus adversários regionais.

Os repórteres da Reuters que estiveram no local, no distrito de Mezzeh, em Damasco, viram socorristas escalando os escombros de um prédio destruído dentro do complexo diplomático, adjacente ao prédio principal da embaixada. Veículos de emergência estavam estacionados do lado de fora. Uma bandeira do Irã estava pendurada em um mastro em frente aos escombros.

“Condenamos veementemente esse atroz ataque terrorista que teve como alvo o prédio do consulado iraniano em Damasco e matou vários inocentes”, disse o ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad, que foi visto no local junto com o ministro do Interior da Síria.

O embaixador do Irã na Síria disse que o ataque atingiu um prédio consular no complexo da embaixada e que sua residência ficava nos dois últimos andares.

O Corpo da Guarda Revolucionária do Irã disse em um comunicado que sete conselheiros militares iranianos morreram no ataque, incluindo Mohammad Reza Zahedi, um comandante sênior da Força Quds, que é um braço paramilitar e de espionagem estrangeira de elite.

Há muito tempo, Israel tem como alvo instalações militares iranianas e as de seus aliados na Síria, mas foi a primeira vez que o vasto complexo da embaixada foi atingido.

O país intensificou esses ataques paralelamente à sua campanha contra o grupo palestino Hamas, apoiado pelo Irã, que desencadeou a guerra de Gaza com um ataque a Israel em 7 de outubro que matou cerca de 1.200 pessoas e fez 253 reféns, de acordo com os registros israelenses.

Mais de 32.000 palestinos foram mortos na ofensiva de Israel em Gaza, de acordo com as autoridades de saúde palestinas.

Os militares de Israel intensificaram os ataques aéreos na Síria contra Guarda Revolucionária do Irã e o grupo armado libanês Hezbollah, apoiado pelo Irã, ambos apoiadores do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Israel normalmente não comenta sobre os ataques de suas forças na Síria. Questionado sobre o ataque, um porta-voz militar israelense disse: “Não comentamos as reportagens da mídia estrangeira”.

A missão do Irã na ONU descreveu o ataque como uma “violação flagrante da Carta das Nações Unidas, da lei internacional e do princípio fundamental da inviolabilidade das instalações diplomáticas e consulares”.

Dizendo que o ataque foi “uma ameaça significativa à paz e à segurança regionais”, a missão iraniana pediu ao Conselho de Segurança da ONU que condenasse o ataque e disse que Teerã se reservava o direito de “dar uma resposta decisiva”.

Mais cedo, o embaixador iraniano na Síria, Hossein Akbari, que não ficou ferido, disse que de cinco a sete pessoas tinham sido mortas no ataque e que a resposta de Teerã seria “dura”.

A mídia estatal iraniana disse o governo iraniano acreditava que Zahedi era o alvo do ataque. Seu vice e outro comandante sênior também foram mortos, juntamente com outras quatro pessoas.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA Matthew Miller disse que o governo norte-americano continua “preocupado com qualquer coisa que possa ser uma escalada ou causar um aumento no conflito na região”, mas não esperava que o ataque afetasse as negociações para libertar os reféns israelenses mantidos pelo Hamas.

* É proibida a reprodução deste conteúdo

Agência Brasil

VIGGO BANNER
Pesquisar
Categorias
WhatsApp
Canal YouTube