Nesta sexta em Natal, mulheres organizam ato contra PEC que autera permissão do aborto

Na última terça-feira (14), mulheres dos diversos movimentos feministas de Natal, articularam uma reunião que tirou a data para um ato em Natal, contra a Proposta de Emenda Constitucional 181/2015 – que altera a permissão para a realização de aborto.

O protesto está previsto para esta sexta-feira (17), com concentração às 15h, na Av. Rio Branco, na famosa subida do Viaduto do Baldo, Cidade Alta. Com o nome: Todas Contra a PEC 181- É pela vida das mulheres, o ato tem um evento no facebook e já conta com mais de mil pessoas, entre interessadas e que comparecerão.

Continue lendo



Sancionada lei que qualifica atendimento à mulheres violentadas

Mulheres violentadas tem direito a atendimento especializado

Nesta quinta-feira (9) foi sancionada pela Presidência da República um projeto que altera a Lei Maria da Penha, criando regras que qualificam o atendimento policial e a perícia junto a mulheres em situação de violência doméstica.

A lei, determina que esse trabalho deve ser prestado, de preferência, por servidoras do sexo feminino, que sejam previamente capacitadas. Além disso, traz também algumas garantias quanto aos questionamentos feitos, que devem dar prioridade à saúde psicológica e emocional da mulher e protegê-la do contato com os agressores.

De acordo com a lei, as políticas e planos de atendimento às mulheres em situação de violência devem priorizar a criação de Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deams), de Núcleos Investigativos de Feminicídio e de equipes especializadas para o atendimento e a investigação das violências graves contra a mulher.



Número de mulheres presas multiplica por oito em 16 anos

Número de mulheres presas multiplica por oito em 16 anos

Segundo o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) do Ministério da Justiça multiplicou-se por oito o total de mulheres presas no Brasil em 16 anos. O número de presas passou de 5.601 em 2000 para 44.721 em 2016, com o aumento, a representação das mulheres na massa prisional passou de 3,2% para 6,8% no período analisado.

O estado das prisões femininas, em função do aumento do número de presas, passou a chamar a atenção do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Preocupada, a presidente do conselho e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, visitou unidades prisionais para mulheres de três Estados. Desde o início da série de inspeções, em outubro de 2016, a chefe do Poder Judiciário teve contato com internas no Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Bahia. O Brasil possui a quinta maior população de detentas do mundo — a terceira se considerados ambos os sexos. Das 1422 prisões brasileiras, 107 (7,5%) são exclusivamente femininas e outras 244 (17%) mistas. Entre as 44,7 mil detidas, 43% são provisórias, à espera de julgamento definitivo.

Os dados estão anexados em pedido de habeas corpus coletivo em favor de todas as presas grávidas que deram à luz há até 45 dias ou com filhos de até 12 anos sob sua responsabilidade em prisão cautelar, bem como das próprias crianças. Esta ação, do Coletivo de Advogados em Direitos Humanos (Cadhu), tramita pelo Superior Tribunal Federal (STF). Cerca de 60% das detidas respondem a crimes ligados ao tráfico de drogas. A maioria delas, contudo, não tem ligação com grupos criminosos e tampouco ocupam postos de chefia, sendo coadjuvantes, informa o Depen.



Mulheres ainda são minoria na política; PEC quer diminuir desigualdade

Mulheres ainda são minoria na Política do Brasil – (Foto: Marcos Santos/Jornal da USP)

No Brasil, as mulheres são maioria. Segundo dados do IBGE, o Brasil contabilizava, em 2015, 105 milhões de mulheres contra pouco mais de 98 milhões de homens. Na área de ciência e pesquisa, por exemplo, a participação do público feminino também é maior. Em 2015, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) mostrou que quase 60% das bolsas de iniciação científica foram para elas.

Mas na política, a realidade ainda é diferente. Mesmo representando 52% do total da população, o País ocupa apenas a posição de número 154 no ranking da ONU que mede a participação das mulheres no parlamento. Hoje, apenas 51 mulheres ocupam as mais de 500 vagas para deputados federais. Para se ter ideia, o estado de Mato Grosso não tem representante feminina na Câmara dos Deputados. São Paulo tem seis em um total de 70 vagas disponíveis para o estado.

Se as mulheres são maioria, então por que elas ainda não ocupam esse lugar dentro da política? O analista político Marcelo Moraes opina sobre o assunto. “Acho que é uma junção de duas coisas: interesse, que começa a surgir cada vez mais não só na política, mas também no mundo profissional, e também é uma questão de oportunidade, é um mundo extremamente masculino o mundo da política. Isso cria até algumas animosidades para que as mulheres venham participar desse ambiente”.



RIO GRANDE DO NORTE: No estado, homens bebem mais do que as mulheres antes de dirigir

Beber e depois dirigir ainda é um hábito comum entre homens e mulheres. Esse costume cresceu 32% entre 2015 e 2016. E os homens são os que mais assumem esse risco, como revela a última pesquisa Vigitel, realizada pelo Ministério da Saúde em todo o país. De acordo com os dados, no Rio Grande do Norte, 29% dos homens que responderam a pesquisa assumiram pegar o volante depois de ter consumido bebida alcoólica. Já entre as mulheres, o total foi de 10%.

Os acidentes de trânsito, motivados ou não pela bebida, são o maior motivo de atendimentos de urgência e emergência e internações no Sistema Único de Saúde. Só em 2015, o Governo Federal gastou R$ 242 milhões para internar mais de 158 mil vítimas de ocorrências graves nas ruas e estradas.

Apesar dos dados alarmantes, uma notícia boa: em 2015 o número de mortes decorrentes de episódios envolvendo álcool e direção caiu em 11%. O Ministério da Saúde acredita que além das campanhas de conscientização sobre os riscos de beber e dirigir, a lei seca e o aumento na fiscalização também contribuíram para esse resultado.  Para saber mais acesse www.saude.gov.br



Câmara de Vereadores não fez homenagens à mulheres com comendas Mãe Quininha

Câmara de Vereadores não divulgou se vai homenagear mulheres com comenda Mãe Quininha

Parece que a Câmara de Vereadores de Caicó, esqueceu de homenagear neste ano de 2017, às mulheres da cidade que se destacaram com seus trabalhos, ações, como fez em anos passados. É Lei, aprovada naquela Casa Legislativa oferecer uma comenda chamada “Mãe Quininha”, mas, tem ano que realizam o evento de homenagens e tem ano que não fazem. Mas, eu posso estar enganado. Talvez vá ocorrer o evento. Talvez o que tenha ocorrido, é que a ASSESSORIA da Câmara ainda não divulgou nada sobre. Se quer, informaram se foram levados ao plenário, votados e aprovados, os nomes de mulheres que receberão à honraria.

O Dia Internacional da Mulher, ou seja, 08 de março, era a data propícia para tal homenagem, mas, parece que passou em branco.

O que será que aconteceu? Com a palavra o senhor presidente da Câmara, o vereador Odair Diniz.



Vivaldo destaca política das mulheres potiguares

Vivaldo destaca política das mulheres potiguares

Motivado pela comemoração do Dia Internacional da Mulher, o deputado estadual Vivaldo Costa (PROS) homenageou as mulheres em pronunciamento feito na manhã desta quarta-feira (8). O parlamentar citou mulheres que marcaram a história política do Rio Grande do Norte e a importância de seus atos para as lutas femininas.

Quero homenagear todas as mulheres do RN. Mulheres fortes e que serviram e servem de exemplo para todo o país. É o caso do voto feminino, instituído primeiramente aqui no nosso estado e que só depois se espalhou para todo Brasil. O voto feminino ganhou força por todo Brasil e foi o maior avanço nas causas femininas”, disse Vivaldo.

O deputado também destacou o grande número de mulheres ocupando cargos importantes em todos os setores no Rio Grande do Norte e lembrou o nome da potiguar primeira deputada estadual do Brasil, Maria do Céu Fernandes. “Ela teve um papel fundamental na política do RN”, ressaltou.

Em sua homenagem, Vivaldo Costa também citou o nome das deputadas que formam a bancada feminina na Assembleia Legislativa – Márcia Maia (PSDB), Larissa Rosado (PSB) e Cristian Dantas (PCdoB) – e das ex-governadoras Wilma Maria de Faria (PTdoB), Rosalba Ciarlini (PP) e da senadora Fátima Bezerra (PT), como exemplos de força na política. O deputado Nélter Queiroz (PMDB) também contribuiu em aparte destacando o pioneirismo das grandes mulheres do passado. “Muitas lutaram e sequer aproveitaram os frutos de suas lutas”, disse.



“Direitos que foram adquiridos com muita luta, estão sendo roubados do cidadão”, diz advogada sobre reforma da Previdência

Advogada Rafaela Cosme diz que reforma da Previdência é danosa para o povo brasileiro – (Foto: Sidney Silva)

A advogada, Rafaela Cosme, que é membro da Comissão de Seguridade Social da OAB/RN e Coordenadora do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário no Rio Grande do Norte, foi entrevista nesta quarta-feira (08), após ter participado da Marcha das Margaridas, ocorrida em Caicó, e teve um viés de protesto por causa da tramitação da PEC 287 no Congresso Nacional, que trata sobre a reforma da Previdência Social.

Para ela, se a PEC for aprovada, o povo brasileiro será duramente prejudicado com perdas de direitos já conquistados ao longo dos anos.

Ouça a entrevista:

 



Mulheres estão à frente de 46,9% dos novos negócios do RN

Número de empreendedoras no Rio Grande do Norte passou de 66 mil para 115 mil Foto Moraes Neto
Número de empreendedoras no Rio Grande do Norte passou de 66 mil para 115 mil – (Foto: Moraes Neto)

No Dia Internacional da Mulher, o Rio Grande do Norte tem ao menos um motivo para comemorar: o aumento gradativo da participação feminina no meio empresarial. Apesar da predominância dos homens, 46,9% dos negócios do estado formalizados como Microempreendedor Individual (MEI) são liderados por mulheres dentro de um universo de mais de 90 mil empresas. Isso comprova a força do empreendedorismo feminino, sobretudo à frente de novos negócios, criados nessa nova realidade econômica. No Brasil, as mulheres já representam 49% do total de empreendedores nacionais.

De acordo com levantamento feito pelo Sebrae no Rio Grande do Norte com base nos dados do Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor.gov.br), as mulheres dominam as dez principais atividades de maior frequência entre os MEI – faixa que reúne 32.348 microempreendedores. Elas são donas de 68,8% desses negócios.

O público feminino também lidera o ranking das cinco atividades que detêm um grande número de MEIs, contribuindo para mudança significativa na distribuição por sexo quando comparado ao universo de total de microempreendedores. No comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios, que a atividade que mais reúne negócios no Rio Grande do Norte, 77% das empresas são comandadas por mulheres. Entre os cabeleireiros o percentual feminino é ainda maior: 81%.

Continue lendo